terça-feira, 5 de junho de 2012

Nomes e Títulos de Cristo Relacionados à Salvação. Jesus. Salvador. Eu Sou. Senhor. Messias. Cristo. Filho de Deus. Filho do Homem. O Logos de Deus. O Cordeiro.


INTRODUÇÃO: um nome reflete a imagem que aquela pessoa tem. Agora tente pensar numa personalidade de renome, em qualquer área humana: um estadista, artista, cientista, etc. Quantas vezes não ouvimos expressões do tipo:
"Eu tenho um nome a zelar" indicando reputação, integridade; "Eu não quero meu nome envolvido nisso" o nome é a própria honra de uma pessoa.; "Ele está com o nome sujo na praça" o nome é sinal de credibilidade”; "Eu venho em nome do Joaquim lhe fazer esta proposta" através do nome representamos outrem para um acordo comercial.
Uma marca também pode consolidar um conjunto de atributos e a sua representação é clara, mostrando o perfil daquele produto, bem, pessoa ou nação. Podemos perceber isso na própria logomarca da nossa Igreja.
Com o Nome de Jesus não é diferente! "O Seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz." Is 9:6. O Santo Nome de Jesus traduz atributos divinos e com um diferencial muito importante: o Nome de Jesus tem autoridade e poder de conquistas e paz, pois é o Nome sobre todo e qualquer outro nome que há. (Fp 2:9)
Por que existem tantos nomes diferentes para Jesus? Os nomes servem como uma descrição de quem Jesus é e como Ele trabalha nas vidas dos indivíduos. Alguns estudiosos já encontraram cerca de 700 títulos e nomes diferentes para Jesus na Bíblia. Vamos estudar alguns desses nomes aqui. Jesus recebeu o seu nome como realização de profecia. Mt 1:20-23 diz: "E, projetando ele isso, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, pois o que nela se gerou é do Espírito Santo; ela dará à luz um filho, a quem chamarás JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Ora, tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que fora dito da parte do Senhor pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco." O nome Jesus, significa salvador, ou, aquele no qual há salvação. A unção de Cristo, a confirmação de sua unção e a sua gloriosa função de mediador, salvador e rei do seu povo, está registrada em passagens como Is 9:6; Mt 3:16 e 16:16.
No comércio ou num negócio um nome limpo é uma garantia de peso. No mundo espiritual o nome de Jesus é o mais puro que existe. Temos uma procuração lavrada nos céus para usá-lo em nossas vidas, na resolução de problemas, Jesus Cristo é o bom nome! É ele que nos garante tudo o que o Senhor conquistou eternamente para nós através de sua missão dada pelo Pai e que foi integralmente cumprida em nosso favor.
SalvadorDo hebraico Yeshua, "salvador". Jesus é a pessoa que resgata a humanidade de eternidade no inferno. Jesus não é somente O Salvador, mais sim O Único Salvador do Mundo. Que bênção conhecê-lo como Salvador! Verdadeiramente "em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos" (At 4:12). Sobretudo, a maior noticia que a humanidade recebeu, é esta: “… Não temais; eis que vos trago boa nova de grande alegria, que o será para todo o povo; é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor ( Lc 2:10,11)”. Ele salva o Seu povo ao morrer para redimi-los, ao dar-lhe o Espírito Santo para renová-los pelo Seu poder. (Mt 1:21, Lc 2:11)
Eu souJoão relatou episódios selecionados da vida de Jesus para defender um tema principal: Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, que oferece a vida aos que crêem nele (Jo 20:30-31). “Eu Sou”, Ele não é apenas o pastor, ou a luz, ele é o eterno Deus. Ele não foi criado e não veio a existir. Nas suas próprias palavras, Jesus disse: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou” (Jo 8:58). Os judeus consideravam esta afirmação blasfêmia, porque Jesus estava se igualando com Deus (Mc 14:61-64). Isaías, nas suas grandes profecias do Messias, afirmou a divindade do Salvador com as mesmas palavras (veja Is 43:11,15; 44:6; 45:6,18; 48:17).
Jesus usou palavras carregadas de poder e eternidade para se apresentar ao mundo. Nós devemos crer no único “Eu Sou” para termos a vida eterna. Jesus disse: “Porque, se não crerdes que Eu Sou, morrereis nos vossos pecados” (Jo 8:24). Ele é o ETERNO "EU SOU" (Jo. 8:58). O termo “Eu Sou”, usado por Jesus; foi o mesmo usado por Deus na manifestação a Moisés no deserto. Êx 3:14,15.
Esse título usado por Jesus diversas vezes o identifica como o Deus que se fez carne e habitou entre nós. Disse Jesus:
* Eu sou o Messias. Jo 4:25,26
* Eu sou o Eterno. Jo 8:58
* Eu sou o Filho de Deus. Jo 10:36
* Eu sou Lá de Cima. Jo 8:23
* Eu sou o Senhor e Mestre. Jo 13:13
* Eu sou a Ressurreição e a Vida. Jo 11:25
* Eu sou o Pão da Vida. Jo 6:35
* Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Jo 14:6
* Eu sou o Alfa e o Ômega. Ap 1:8
* Eu sou o Primeiro e o Último. Ap 1:17
* Eu sou a Luz do Mundo. Jo 9:5
* Eu sou a Porta da Salvação. Jo 10:7
* Eu sou a Videira Verdadeira. Jo 15:1
Senhor – Junto com “Cristo” e “Filho de Deus”, do grego “kyrios” que quer dizer Senhor, é um dos principais títulos cristológicos usados por Paulo. No Novo Testamento, esse termo é usado como uma saudação para honrar um homem importante. Os discípulos usaram esse termo para saudar Jesus como seu mestre (Mt 22:43-44). Aceitar o "senhorio" de Jesus significa aceitar que estamos caminhando diretamente contra o mundo e seus padrões falsos. Quando Tomé por fim creu, ele estimou Jesus Cristo como Senhor (Jo 20:28). Na sua conversão, Paulo estimou Jesus Cristo como Senhor, quiz fazer sua vontade, e começou a adorar à Ele como Senhor (At 22:8, 10, 16; 26:19). Em seu sermão à Cornelius e seu grupo, Pedro incluiu o fato que Jesus Cristo é Senhor, e por meio dele há paz (At 10:36). Esta é parte que Cornelius e seu grupo creram para ter seus pecados perdoados - ser salvo por Jesus Cristo (At 10:43). O sermão de Pedro ao grupo une permanentemente a obra de Jesus Cristo como Salvador com Sua posição e autoridade como Senhor (At 10:36-43). O grupo recebeu perdão de seus pecados e também paz com Deus, porque as pessoas do grupo creram em Jesus Cristo como Senhor e Salvador (e o juiz de todo - At 10:42). Três mil em Pentecostes que creram, também creram que Jesus Cristo é o Senhor (At 2:34-37).
Messias é a palavra hebraica que significa ungido. A unção, no Velho Testamento, era a cerimônia de aprovação ou ordenação de alguém para uma função ou posição muito especial. Os sacerdotes eram ungidos. Os reis eram ungidos. Jesus Cristo não é designado como um ungido, mas como O ungido. O Messias, prometido, aguardado pelo seu povo. Aquele no qual se acharia a redenção, através do seu trabalho de mediador entre Deus e o homem. Mateus 1: 21 nos mostra a identidade inconfundível do Messias: Jesus Cristo. Você compreende o significado de Jesus ser o Messias prometido? Podemos  verificar que a vinda de Jesus e toda a Sua história não é um mero "acidente". Ela é parte do grande plano maravilhoso de Deus de redimir o Seu povo, de salvá-lo da alienação e da miséria produzida pelos seus pecados; de livrá-lo da punição eterna, dando-lhe vida abundante e eterna comunhão com o seu Criador. O Messias cumpriu a Missão pela qual foi designado por Deus.
Cristo é um título sagrado e não um nome ou designação comum; é de origem grega; e tem significado idêntico ao seu equivalente hebreu Messiah ou Messias, isto é, o Ungindo (Jo 1:41; 4:25). O fato de maior importância para nós agora é que esses vários títulos expressam a origem divina do Senhor e Sua posição como Deus. Como vimos, os nomes ou títulos essenciais de Jesus, o Cristo, foram dados a conhecer antes de Seu nascimento e revelados aos profetas, que o precederam no estado. O nome Jesus Cristo é especial entre todos os nomes de nosso Salvador. É o seu nome pessoal. Muitos de seus outros nomes são na verdade títulos, atributos, não nomes pessoais. Isso é especialmente verdadeiro de nomes como Cristo e Senhor.
Filho de DeusCom Seu poder sobre a natureza e Seu conhecimento sobre o futuro, Jesus Cristo comprovou a verdade dobre seus ensinamentos, bem como que é verdadeiramente o Filho Unigênito de Deus. "Está tudo consumado! Pai, em Tuas mãos! entrego o meu espírito.." Seguiram-se vários fenômenos. O véu do templo rasgou-se de alto a baixo em duas partes e a terra tremeu. Vendo isso, até o centurião exclamou: “Verdadeiramente Este era o Filho de Deus (Mt 27.51-54)”. “Havendo Deus outrora falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez o mundo. O Filho é o resplendor da Sua glória e a expressa imagem da Sua pessoa, sustentando todas as coisas pela palavra do Seu poder. Havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade nas alturas. Assim Ele se tornou tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que o deles (Hb 1: 1-4)”. Todos os sinais, qualificações, honras, funções e dignidades do Messias prometido foram personificadas no Filho de Deus - Jesus Cristo. Ele não somente é autor de todas as coisas, mas também é apresentado como o herdeiro de tudo (v.2), ou seja: Jesus Cristo Filho de Deus é Rei. Em muitos trechos do Velho Testamento encontramos menção à majestade e ao reinado de Cristo. Rei dos Reis, que vence o inimigo e assegura vitória para si e para o Seu povo! O Pai se refere a Ele como sendo Deus: "Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos" (Hb. 1:8).
Filho do HomemComo Filho do HOMEM, Ele pôde sentir fome, sede, temor, dor, choro (Jesus se dirigiu ao túmulo e diz a Bíblia em Jo 11:35 - "Jesus chorou". Chorou em empatia para com a família enlutada. Chorou por causa do amigo morto. Chorou porque se identifica com a humanidade sofredora), teve um pai, mãe, irmãos, amigos. Embora sendo em forma de Deus, assumiu o lugar de um servo (Fp 2:6-7)! Assumiu uma vida capaz de morrer, porém não sujeita à morte (Hb. 2:9). Ninguém tirou a Sua vida (Jo 10:18). Ele tinha o poder de dar vida (Jo 10:28). Em Sua bendita humanidade Ele foi ao mesmo tempo "sobre todos, Deus bendito eternamente: Amém" (Rom. 9:5). "Porque n’Ele habita CORPORALMENTE toda a plenitude da divindade" (Col. 2:9). A expressão "filho do homem" é encontrada muitas vezes, tanto no Velho como no Novo Testamento.
A expressão aparece duas vezes no livro de Daniel, com dois sentidos diferentes. Em Dn 8:17, o profeta é chamado de "filho do homem". Mas, em Dn 7:13, desce do céu (numa visão) "um como o Filho do Homem" que recebeu do Ancião de Dias autoridade para reinar para sempre. Nesta visão profética, a frase claramente se refere a Cristo. Chegando ao Novo Testamento, "filho do homem" é usado quase exclusivamente para falar sobre Jesus. O próprio Cristo utilizou esta expressão (segundo os quatro relatos do evangelho) para se identificar inúmeras vezes (Mt 8:6; 9:20; etc.). Assim, ele enfatiza sua própria humanidade, o fato que ele se fez carne e habitou entre homens (Jo 1:14). Mas esta descrição jamais é usada para sugerir que Jesus era mero homem. Sem dúvida, o uso no Novo Testamento elabora o tema introduzido em Daniel 7:13. O "Filho do Homem" não é alguém que surge da terra (como a erva de Is 51:12). Ele veio nas nuvens do céu (Dn 7:13, compare Mt 20:28; Lc 19:10; Jo 3:13). Assim, o Filho do Homem mostrou sua autoridade na terra (Mc 2:10,28). Depois de sua morte e ressurreição, ele afirmou que tinha recebido toda autoridade (Mt 20:28; veja Lc 22:69). Como Daniel o viu descendo nas nuvens, Jesus prometeu vir nas nuvens em julgamento (Mc 13:26; 14:62; etc.). Algum tempo depois da ascensão de Jesus, Estevão foi privilegiado em ver "o Filho do Homem, em pé à destra de Deus" (At 7:56). Vamos obedecer ao Filho do Homem, que tem toda autoridade.
O Logos (em grego λόγος, palavra), no grego, significava inicialmente a palavra escrita ou falada—o Verbo. “O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida, porque a vida manifestou-se, e nós a vimos e lhe damos testemunhos e vo-la anunciamos a Vida Eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada” (1 Jo 1.1.2). O agente de Deus no ato da criação foi a Sua Palavra: Ele deu ordens e as coisas foram criadas “haja”. O método que Deus usou na criação foi o poder da Sua Palavra. Repetidas vezes está declarado: “E disse Deus...” (Gn 1. 3,6, 9, 11, 14, 20, 24,26).
O escritor aos Hebreus disse: “Pela fé entendemos que o universo foi criado pela palavra de Deus, de modo que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (Hb 11.3). Deus se expressa através da Sua Palavra, pois, Ela é uma extensão da Sua Personalidade investida de autoridade (Dt 12.32; Sl 103.20). “O Logos é o próprio Deus em ação”.
Cordeiro de Deus – Esse título se refere ao sistema de sacrifícios do Velho Testamento onde Deus aceitava o sangue de animais como uma expiação pelo pecado (Jo 1:29, 36). Jesus se tornou o Cordeiro levado mansamente para o abate, mostrando a Sua paciência em Seus sofrimentos e a Sua prontidão para morrer pelos que lhe pertence. O sangue de Jesus fez a expiação pelo pecado! E nesse momento O Filho de Deus que tornou-se Cordeiro de Deus, em breve irá voltar. "Todo o olho o verá, até quantos o transpassaram" (Ap 1.7). Como Juiz que tem em suas mãos a chave, toda a autoridade, da morte e do inferno, abrirá e fechará os céus, a morte e o inferno aos homens conforme seu justo julgamento. Os remidos em Seu sangue entoarão aleluias pois serão convidados para as Bodas do Cordeiro. E a sua noiva, a igreja, aclamará que Jesus Cristo, o Filho de Deus é "0 REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES" (Ap 19.16). Então Ele se assentará em seu trono ao lado do trono do Pai e nós, os remidos por seu sangue, contemplaremos a Sua face, e nas nossas frontes estará o nome dele. O Senhor nosso Deus brilhará sobre nós, e reinaremos com Ele pelos séculos dos séculos.
CONCLUSÃO: em meio á quantidade de denominações, igreja, teologias, explicações, ritos cristãos, diversidade de líderes religiosos, enfim, os tempos mudam e novas interpretações do evangelho surgem(sejam elas compatíveis com os nossos ensinamentos ou não), acredito que não há como mudar essa pluralidade de pensamentos! Mas uma coisa sei, que o meu Deus é sempre será o mesmo que Era, que É e que Há de Vir. Cada nome ensina algo importante sobre a missão de Jesus, mostrando que ele veio para ensinar, salvar e proteger o seu povo. Mas, quem pode fazer tais promessas elevadas? Nenhum mero homem teria condições de oferecer tudo que Jesus prometeu, porque nenhum homem tem as mesmas qualidades que Jesus possui. Onde os homens pregam diversos caminhos, Jesus oferece um só. Onde os homens pregam doutrinas próprias, Jesus oferece a única verdadeira. O Nome de Jesus se destaca dos demais nomes e é superior a todos os demais porque é um nome que nos trás vitórias eternas devido às suas conquistas por todos nós na cruz do Calvário. ("Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai." Fp 2:7 a 11)
Por: Sem. Liana Costa
BIBLIOGRAFIA
CARSON, D.A. O Comentário de João. Ed. Shedd.
BOCK, Darrell L. Jesus segundo as escrituras. Ed. Shedd.
BÍBLIA APOLOGÉTICA DE ESTUDO. ICP
STER, David H. Comentário Judaico do Novo Testamento. Ed. Atos
DUNN, James D. G. Unidade e diversidade no Novo Testamento: um estudo das características dos primórdios do Cristianismo. SãoPaulo: Academia Cristã, 2009
COENEN, Lothar; BROWN, Colin. Dicionário internacional de teologia do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova
Cf. BULTMANN, Rudolf. Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Teológica, 2004
CERFAUX, Lucien. Cristo na teologia de Paulo. São Paulo: Editora Teológica, 2003
RIDDERBOS, Herman. A teologia do apóstolo Paulo: a obra definitiva sobre o pensamento do apóstolo dos gentios. São Paulo: Cultura Cristã, 2004
DUNN, James D. G. A teologia do apóstolo Paulo. São Paulo: Paulus, 2003
26. LADD, George E. Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Hagnos, 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário